Atraia mais clientes. 5 tendências para vender mais durante a pandemia.

Quem trabalha com comércio ouve o tempo todo “atraia mais clientes”, mas muitos não sabem exatamente o que fazer além do que já é praticado.

Uma vitrine bem pensada, adesivos nas lojas com promoções, atendimento excelente já não é mais o suficiente para ganhar a atenção do cliente que passa em frente à loja.

É preciso estar de mãos dadas com a evolução do consumidor, que hoje começa o processo de compra bem antes mesmo de entrar na loja ou, muitas vezes, conhece tão bem o produto que sabe exatamente o que ele quer levar.

A internet e as redes sociais foram elementos importantes nessa evolução. E embora as lojas físicas não tenham mudado de dinâmica, precisaram se adaptar para esse consumidor que sabe mais, exige mais e está mais atento aos detalhes.

Com isso em mente, separamos 5 tendências para vender mais durante esse período de pandemia, mesmo que o movimento ainda não seja o ideal.

1 . Faça você mesmo

O movimento do it yourself (DIY) é bastante conhecido e ficou muito popular na década de 1970 com pessoas que preferiam criar ao invés de consumir produtos prontos e industrializados.

Hoje ele é mais popular em boa parte, devido à internet e redes sociais, que permitiram muitas pessoas compartilharem seus conhecimentos sobre construção artesanal de vários produtos, de decoração a moda, passando pela culinária e outras áreas.

Com o acesso a redes sociais como YouTube, por exemplo, ficou muito mais fácil consumir conteúdos que ajudem as pessoas a tentarem criar em casa um produto ou executar uma tarefa.

Durante a pandemia, por conta do fechamento do comércio, do isolamento social, muitas pessoas ficaram com tempo livre e o DIY passou a fazer parte do dia a dia que, além de ensinar, trouxe um importante impacto psicológico nas pessoas confinadas em casa.

Ajudar seus consumidores a passar por esse período difícil pode ajudar a sua marca a se tornar referência e ajudar nas vendas.

2 . Slow Life

O Slow Life não é exatamente uma tendência que surgiu durante a pandemia, pois há algum tempo esse conceito já vem sendo amplamente divulgado.

Essa tendência consiste basicamente em reduzir o ritmo de vida, desacelerando a rotina e consumindo apenas o que é tido como não essencial.

O conceito está intimamente ligado à sustentabilidade e ao DIY, pois é pensado o impacto do que é consumido no meio ambiente, na sociedade e até no bolso do consumidor.

Em contraponto com o movimento yuppie dos anos 1980, algumas empresas têm até reduzido jornadas de trabalho e aumentado significativamente a produtividade, focando na qualidade de vida do próprio funcionário.

Durante a pandemia, o Slow Life ganhou força, pois muitas relações de trabalho precisaram mudar, o trabalho remoto reduziu a poluição e empresas viram que além de produtivo, custa menos no orçamento.

3 . Círculo de consumo local

Uma das maiores vítimas da pandemia do novo coronavírus, em termos econômicos, foram os comércios locais, que costumam ser pequenas empresas familiares com pouco tempo de atuação.

Elas foram as primeiras a sentirem a crise e embora sejam responsáveis por 30% do PIB brasileiro, não têm tanto acesso ao crédito e os tributos pesam ainda mais no financeiro.

Muitos comércios locais fecharam as portas e precisaram demitir pessoas, causando um efeito cascata.

Esse cenário, somado às pessoas estarem isoladas em casa, fez com que muitos setores criassem campanhas e ações para que os consumidores comprassem dos comércios locais, incentivando-os e injetando dinheiro na economia.

4 . Parceria e Economia Colaborativa

Um é bom e dois é melhor ainda. Uma das maiores tendências que ganhou força durante a pandemia foi a parceria entre empresas.

A verdade é que isso não é uma novidade, mas com o isolamento obrigatório, os negócios viram que uma forma de reduzir custos com operação é firmar colaborações entre si e entregar um produto focado exatamente na necessidade do consumidor.

Ligado a isso está a economia colaborativa, que como conceito se apresenta como uma forma de acesso a bens e produtos de forma compartilhada.

Um bom exemplo são os coworkings e lojas colaborativas, onde é possível encontrar várias marcas dentro de uma mesma loja.

Para o varejo, essa tendência se apresenta bastante estratégica na hora da venda no oferecer algo a mais para o cliente além daquilo que ele está esperando.

5 . Compartilhamento

Essa tendência é conhecida de algum tempo e não é novidade. Apesar de ser apontada como tendência, devemos notar mais quando a pandemia mostrar sinais de que está entrando em sua fase final.

Isso porque o novo coronavírus e sua alta taxa de contágio é um fator de risco para o consumo de bens compartilhados.

Porém, especialistas em tendência afirmam que no pós-pandemia, o compartilhamento deve ganhar ainda mais força e definir alguns conceitos para o futuro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *