“Eu sou do banco… do Banco do Nordeste!”

Confira o artigo do presidente da CDL de Fortaleza, Assis Cavalcante, publicado hoje no jornal O POVO.

No início dos anos 1980, Luiz Gonzaga, em parceria com Zé Clementino, gravou “Eu sou do Banco”. Começa assim:

“É que o matuto deu de garra dos papéis / E foi bater no banco de Juazeiro / Tirou dinheiro e comprou cinco vaquinhas / E para tanto contratou logo um vaqueiro…” E canta na sequência: “Eu sou do banco, do banco, do banco… Do Banco do Nordeste, cabra da peste!”

De modo singelo, o Rei do Baião destaca o valor deste banco de desenvolvimento, financiador do pequeno. Pede tão pouco: recurso para comprar cinco vaquinhas e contratar um vaqueiro.

Avalie a força dessa instituição, fundada há 66 anos com a missão de atuar como o banco de desenvolvimento da região Nordeste, financiando, acima de tudo, esperanças!

Contempla nove estados da federação, cobre 1.990 municípios brasileiros, tem rede de 292 agências e mais de 460 postos de atendimento do Credamigo.

As micros e pequenas empresas financiadas geram 54% dos empregos, respondem por 25% do PIB. É o maior financiador, em investimentos e inovação, gerando competitividade e sustentabilidade das empresas.

Leia também: BNB aumenta prazo para lojistas pagarem empréstimos por capital de giro

Banco do Nordeste que é o maior banco de desenvolvimento regional da América Latina. Gestor do Fundo Constitucional do Nordeste (FNE), aplica todo o orçamento conforme possa emprestar, daí a baixa inadimplência.

Diferencia-se por atuar na superação dos desafios e na construção de um padrão de vida compatível com os recursos, potencialidades e oportunidades neste chão de País.

Injeta anualmente, em média, R$ 30 bilhões na economia nordestina, tem equipe técnica conhecedora das peculiaridades e diversidade regional.

Uma fusão com outras instituições fará com que seu papel de promover o bem-estar das famílias e a competitividade das empresas regionais seja comprometido. Quem perde? A gente, as empresas, os empreendedores. Perdemos todos.

É necessário unir vozes e ações, referendar a importância do BNB como agente transformador da economia, criador de oportunidades, de empreendimentos, do microcrédito, atendendo da dona de casa que vende din-din ao grande empresário, atendo às oportunidades de trazer sua empresa para a região.

O Banco do Nordeste não é um favor, é um investimento para um Brasil melhor. Vamos lutar para mantê-lo, pelo bem do povo brasileiro.

Assis Cavalcante – assisvisao@secrel.com.br
Empresário, escritor e presidente da CDL de Fortaleza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *