Varejo aumenta vendas no mês de julho

De acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), as vendas no varejo no último mês de julho cresceram 7,2%, em comparação com o mesmo mês de 2020.

O macrossetor de serviços, como bares, restaurantes, turismo e transporte, sofreu aceleração. Já os bens duráveis, semiduráveis e não duráveis desaceleraram.

A região Nordeste registrou alta de 9,3%, seguida do Centro-Oeste (+8,2%), do Sul (+7,2%), do Sudeste (+6,5%) e do Norte (+4,1%), segundo o ICVA.

Dados do Mastercard SpendingPulse apresentam que o setor varejista fechou o primeiro semestre de 2021 com crescimento de vendas, no Brasil.

Os dados medem as transações nas lojas físicas e on-line em todas as formas de pagamento. Segundo eles, as vendas do varejo no país aumentaram 25,5%.

Em comparação com o mesmo período de 2020, os setores de roupas (+59%), artigos pessoais (+40%) e móveis e eletrônicos (+36%) tiveram os crescimentos mais significativos.

Estratégias de venda

As empresas estão reforçando seu serviço omnichannel aos consumidores, permitindo mais flexibilidade, desde entregas rápidas até a busca de produtos na loja.

As lojas físicas podem ser supercompetitivas contra as gigantes mundiais do e-commerce.

De acordo com o E-commerce Brasil, a pandemia também teve forte impacto sobre os varejistas menos preparados.

Empresas com estratégias digitais fracas acabaram entrando em recuperação judicial, e analistas acreditam que a chance de saída da recuperação é baixa.

Duas grandes tendências para o varejo são a inversão do papel da loja física, que perdurará no pós-pandemia, e os novos hábitos do consumidor.

Foco na inovação

Gigantes do varejo demonstram a necessidade de mostrar inovação no mercado, como forma de se manter mais relevantes para seus consumidores.

Isso vai desde a adoção rápida de novas tecnologias até a forma como se posicionam no mercado.

Pequenos e médios empresários podem sentir que inovação é só para os grandes. O problema é que não inovar não é uma opção viável em um mercado tão competitivo.

É importante lembrar que nem sempre inovar significa mudar radicalmente algo ou investir rios de dinheiro.

Os varejistas podem e devem aprender com as iniciativas que fazem sucesso, contanto que elas façam sentido para as empresas.

A inovação no varejo regional, por exemplo, pode incluir a criação de marketplaces, parcerias ou mesmo investimento em startups.

Toda inovação demanda esforço, e é melhor agir por conta própria do que ser forçado a reagir para se manter no mercado.

 

Confira também:

·       Seja um Associado CDL de Fortaleza

·       Instagram

·       Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *