A digitalização do varejo pós-pandemia.

O avanço da pandemia do novo Coronavírus fez acelerar ainda mais a digitalização do varejo em escala mundial.

O decreto do lockdown, que obrigou lojistas a fecharem as portas, fez com que muitos empresários buscassem alternativas para continuarem vendendo.

Tendo em vista as circunstâncias da doença, a medida mais viável e segura foi a adaptação da loja física para a loja online.

Na prática, a realidade observada foi que muitas empresas não estavam preparadas para essa transformação repentina.

Meses se passaram e muitas lojas continuam na luta para se adaptarem às necessidades do mercado e aos novos comportamentos dos usuários.

Mesmo que não seja possível prever o futuro, já se pode afirmar que o cenário do varejo nunca mais será o mesmo.

E a única forma de evitar que sua empresa perca clientes ou vá à falência é embarcando nessa jornada do comércio virtual.

Para isso, criamos um conteúdo durante a pandemia, com base nos dados do mercado, que vai ajudar a gerar insights nesse processo de digitalização do varejo.

O que mudou no varejo pós-pandemia?

Depois de meses de confinamento, a forma como conhecemos o varejo mudou e vai continuar mudando.

E os números do mercado provam isso!

Confira os principais dados de uma pesquisa realizada pelo Movimento Compre&Confie em parceria com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm):

– O comércio eletrônico brasileiro registrou, no primeiro semestre de 2020, sua maior alta em 20 anos, registrando 47% de crescimento nas vendas.

– O número de transações aumentou 65,7%, indo de 63,4 bilhões para 105,6 bilhões.

– Mais de 135 mil lojas aderiram às vendas online para continuar vendendo durante a pandemia.

– O Nordeste foi a região brasileira que registrou o maior aumento no faturamento, com alta de 60,9% sobre o mesmo período de 2019.

Além desses fatores, muitos varejistas precisaram encontrar soluções logísticas para que não faltassem produtos no estoque.

Como iniciar o processo de digitalização do varejo na sua empresa

Com todos os dados que já foram apresentados até aqui, ficou claro que não se pode ignorar ou adiar o processo de transformação digital da sua loja.

Você pode iniciar esse processo construindo a presença online da sua loja, para, em seguida, dar início à criação da sua loja virtual.

Para melhor entendimento, vamos destrinchar a seguir cada uma dessas etapas.

1 – Presença online

As redes sociais são grandes facilitadoras dos lojistas quando se trata de divulgação e relacionamento com o consumidor.

Atualmente, o Instagram e o TikTok possuem um fluxo maior de usuários, com altos índices de engajamento. Devido a isso, a concorrência nesses canais é bem grande.

Contudo, não se pode ignorar o Facebook, o Twitter e o Pinterest, pois dependendo do nicho em que você atua, esses canais podem proporcionar grandes resultados para o seu negócio.

Aqui vai uma dica: você não precisa criar uma conta em todas as redes sociais, você precisa estar onde seu cliente está.

Por isso, é imprescindível entender melhor o perfil do seu consumidor e identificar seus hábitos e quais meios utiliza para consumir informações.

Outra dica de ouro: as redes sociais foram feitas para as pessoas se relacionarem entre si. Não bombardeie seu cliente com ofertas, busque criar conteúdos que agreguem valor para sua marca.

2 – Criação da loja virtual

Existem muitos paradigmas que precisam ser quebrados quando se fala de criação de loja virtual.

Primeiro de tudo: a loja virtual é um negócio como qualquer outro e precisa de uma equipe para gerenciá-la.

Não se iluda que, ao colocar sua loja no ar, os produtos vão se vender sozinhos.

Muito pelo contrário. Vai ser preciso um árduo trabalho de cadastro de produtos e de divulgação para que haja um fluxo de clientes entrando na loja e com desejo de comprar.

Por isso, antes de criar sua loja online, esteja atento aos seguintes pontos:

– Pesquise sobre as plataformas de e-commerce disponíveis no mercado, para escolher aquela que melhor atende as necessidades do seu negócio.

– Monte uma equipe que ficará responsável pelas operações do seu e-commerce.

– Para uma melhor gestão dos produtos, trabalhe com um sistema que integre loja física e virtual. Dessa forma, você não correrá o risco de vender um produto online que não está mais disponível no estoque físico.

– Contrate uma transportadora de confiança ou firme contrato com os Correios para a distribuição das suas encomendas.

– Escolha os meios de pagamento (cartões de crédito e débito, boletos e transferências bancárias) que vão trazer vantagens competitivas para seu o negócio.

Conclusão

A digitalização do varejo veio para ficar e os varejistas não podem ficar de braços cruzados esperando a pandemia passar.

Mas do que planejamento estratégico, vai ser preciso ter muita criatividade e disposição para manter os negócios funcionando.

E essas novas estratégias não devem se limitar ao período de pandemia, mas, sim, pensadas a longo prazo e com alto potencial de crescimento.

Veja também: 6 cuidados na hora de vender on-line.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *