Gestão Financeira. Como minimizar o prejuízo em tempos de crise

Momentos como este precisam de uma atenção maior na gestão financeira de uma empresa. A crise da COVID-19 pegou o mundo de surpresa e deixou consumidores em casa com medo e empresas sem rentabilizar.

Quem depende do movimento de pessoas para vender está sentindo o impacto da quarentena. O porém é que as contas não esperam e continuam chegando.

Contas de luz, aluguel, folha de pagamento… Tudo isso pesa bastante no financeiro de uma empresa e cabe aos responsáveis por esse setor enxugar o máximo possível de custos para manter o negócio em plena forma até o dia em que as coisas se normalizem.

Por isso, trouxemos algumas dicas para melhorar a gestão financeira da sua empresa nesse momento de crise. Confira!

 

Faça um levantamento de todos os gastos

 

Parece simples essa primeira dica, mas é bastante comum empresas não terem uma real noção do quanto gastam.

Muitas vezes, esse é o principal motivo para os negócios não conseguirem se sustentar e abrirem falência após alguns anos.

Em momentos como esse que estamos vivendo, a atenção deve ser redobrada em relação a custos associados ao negócio.

A primeira coisa a ser feita é levantar todos os gastos que a empresa tem. Contas como água, luz, internet, funcionários, fornecedores, aluguel etc. precisam ser analisadas e divididas em custos fixos ou variáveis.

O mais importante é saber o quanto a empresa está de fato gastando. Só dessa forma será possível saber como economizar.

 

Negocie o que puder

 

Após saber tudo o que sua empresa está gastando, é mais fácil criar cenários para os próximos meses e ter mais controle sobre o inesperado.

Serão dias difíceis, então, é necessário saber o que realmente é importante e essencial para a sobrevivência do seu negócio.

O que não puder ser cortado, pode-se negociar. Aluguel, por exemplo. Alguns lojistas entraram em contato com os donos dos espaços, a fim de negociar os valores de aluguel para os próximos meses.

Você pode negociar com fornecedores também e encontrar um plano que funcione para as duas empresas, sem que cause prejuízos.

 

Comece do zero

 

Nem os maiores experts em criar cenários financeiros conseguiriam prever a crise causada pela COVID-19 e como ela está afetando todo o mundo nesse ano.

É algo novo que precisa ser aprendido. Para quem se planejou, preparou planos, é a hora de sentar e replanejar.

Procure reunir o máximo de informações possíveis e ver o que funcionou no passado que possa ser usado agora.

Muitas vezes, boas ideias do passado que não foram aproveitadas na época podem se tornar ótimos planos de ação para esse momento.

A questão é: não dá pra continuar com o mesmo planejamento de antes. Os cenários são outros, as previsões são outras.

Para não fazer parte da estatística de empresas que fecharam as portas, é preciso recomeçar.

 

Se não souber, procure ajuda

 

A crise causada pela COVID-19 não tem precedentes na história contemporânea. Claro, o Brasil e o mundo já viveram fases difíceis, que exigiram uma atenção maior dos empresários.

A verdade é que ainda estamos no meio da pandemia e os impactos ainda são incertos. Especialistas criam cenários otimistas e pessimistas para que as pessoas possam se preparar.

E embora o empresário saiba sobre o seu negócio, uma situação como essa exige um aprofundamento que somente um especialista poderá entregar.

Portanto, esse é o momento de consultar advogados, contadores, para avaliar a situação tributária da empresa e o que fazer com os contratos trabalhistas.

O momento agora é de minimizar danos e evitar cometer erros que possam custar o destino do seu negócio.

 

Reinvente-se

 

Com o comércio fechado, a maioria das lojas está sem rentabilizar, e as que continuam abertas testemunham uma diminuição no movimento.

Existem setores que são considerados essenciais para a sociedade e precisam abrir suas portas todos os dias. É o caso de supermercados e farmácias, por exemplo.

Para driblar a queda nas vendas, muitos empresários estão migrando rapidamente para serviços aos quais nem estavam acostumados, como a venda on-line e o delivery.

Veja em que seus fornecedores podem ajudar nesse momento, quais deles podem formar parcerias e sugerir soluções para continuar vendendo seus produtos, mesmo que você não possa abrir a loja.

Analise onde pode haver investimento e como contornar as baixas vendas. O segredo é se reinventar, usar a criatividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *