Infelicidade no trabalho atinge 90% das pessoas

Você pensa que, para estar feliz no trabalho, é preciso apenas sucesso financeiro? Se a resposta for sim, lamento informar que as pesquisas dizem o contrário.

O executivo Fredy Machado fez um levantamento com mais de 300 profissionais, de 21 estados, incluindo 18 brasileiros expatriados com faixa etária entre 26 e 60 anos de idade, e constatou que dinheiro representa apenas um item importante.

Problemas no relacionamento, excesso de cobrança com escassez de reconhecimento e competição exagerada tem atrapalhado a vida de muita gente que ganha bem no mundo corporativo.

Segundo Machado, os índices de insatisfação e infelicidade no ambiente corporativo são altos. Pela pesquisa, realizada por meio do aplicativo Survey Monkey, 90% das pessoas estão infelizes no trabalho.

O levantamento acabou se transformado no livro “É Possível se Reinventar e Integrar a Vida Pessoal e Profissional”, lançado recentemente pelo selo Benvirá, da Editora Saraiva, e serve de alerta: “É preciso propósito nas pessoas e nas empresas”.

Leia também: A inovação tem a ver com pessoas

Mudança na cultura das empresas

Uma reflexão importante feita com base na pesquisa é sobre a cultura das empresas. Fredy Machado ressalta que é preciso mudar a cultura corporativa para melhorar o ambiente e isso não ocorre apenas colocando mesas de pingue-pongue e tobogãs em salas de descanso, mas com mudanças nos procedimentos.

Há uma grande transformação e um choque de gerações dentro das empresas, o que aumenta a tensão. “É preciso valorizar as pessoas”, ressalta ele.

Afastamento de trabalhadores

Na avaliação de Fredy Machado, há muita gente que trabalha apenas pelo dinheiro, mas para muitas pessoas (inclusive empreendedores) o trabalho não faz mais sentido. A situação é tão grave que vem chamando a atenção da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre os casos de depressão no mundo corporativo.

“As empresas hoje gastam em média R$ 206 bilhões anualmente com a depressão de colaboradores”, acrescenta. Essa seria a segunda principal causa mundial de afastamento de profissionais com licenças médicas.

Detalhe: pelo levantamento, das 304 pessoas que responderam a pesquisa e falaram da sua infelicidade, 153 eram empresários; 65 empreendedores; 86 profissionais liberais; 82 executivos e 13 estudantes. Outras 43 pessoas ignoraram a pergunta (que podia admitir mais de uma resposta) sobre a ocupação de cada entrevistado.

Fonte: O POVO (Coluna Neila Fontenele)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *