Máquinas de cartão: conheça os tipos disponíveis no mercado

Atualizado em 05/03/2018 às 11:57

Aceitar cartões de crédito e débito em estabelecimentos comerciais tem se tornado indispensável. A tendência é cada vez mais as pessoas optarem pelo uso de cartões em relação ao dinheiro, até mesmo por conta dos problemas de segurança.

Para conseguir trabalhar com este meio de pagamento é necessário que o varejista possua um terminal eletrônico de transmissão de dados financeiros, mais conhecido como máquina de cartão.

Para isso, o empresário precisará fechar contrato com uma empresa adquirente (Cielo, Rede, GetNet, etc.). São essas empresas que fornecem as máquinas e cada uma delas trabalha de forma diferente, com um ou mais tipos de máquinas.

Conheça como cada uma funciona e se elas podem ser uma boa opção para o seu negócio.

Como funcionam as maquininhas

As máquinas de cartão são dispositivos eletrônicos que funcionam como transmissores de dados financeiros. No caso dos cartões de chip, elas fazem a leitura dos dados do cartão no chip e com a liberação pela senha, é concluída a transação.

Atualmente, no mercado, existem diversos modelos de máquinas de cartão, inclusive alguns dispositivos permitem que o seu smartphone possa se tornar uma. Confira os diversos tipos!

Transferência Eletrônica de Fundos (TEF)

As máquinas TEFs são bem simples. Servem apenas para leitura de dados do cartão de crédito ou débito. Neste tipo de terminal, o processamento e a comunicação com a central do cartão são feitos por meio de sistemas externos às máquinas.

Assim, diferentes maquininhas podem estar ligadas a um único sistema, possibilitando que os pagamentos sejam feitos por várias pessoas ao mesmo tempo.

As TEFs são comuns em supermercados, por exemplo, com um terminal em cada caixa conectado a um sistema de computador. Elas não precisam de bobina para impressão do comprovante, pois uma pequena impressora fiscal é usada para esse fim.

Point of sale (POS) ou Ponto de Venda

A máquina POS (fixo) é muito usada no comércio em geral, sobretudo quando não há necessidade que a máquina seja portátil.

Você já teve dificuldades para pagar uma compra, até que o vendedor notasse que o telefone estava fora do gancho ou sendo usado?

Isso ocorre nas máquinas POS (fixo), pois para funcionar ela precisa de uma linha telefônica liberada que possa transmitir os dados do pagamento.

Essa conexão é feita por um fio, que torna a maquineta fixa ao balcão ou ao caixa onde é usada. Por essa razão, esse tipo nem sempre atende a todos os usuários, que muitas vezes precisam de mais mobilidade.

Leia também: Veja cinco dicas para não perder dinheiro com cartão

Point of outdoor (POO) ou Ponto de Venda Externo

A máquina POO é bem semelhante à POS. A diferença é que ela não possui fio, tornando o uso mais fácil em estabelecimentos que exige maior mobilidade.

Em postos de gasolina, por exemplo, já foi comum que o cliente precisasse ir até um ponto específico onde a máquina de cartão era fixada.

Hoje em dia isso não é mais necessário porque é possível utilizar as POOs. Esta máquina é bem comum de ser utilizada em bares e restaurantes.

Para funcionar, ela precisa de um chip de celular, o que torna a máquina portátil. Como ela não é ligada a um ponto interno do estabelecimento, serve para taxistas, motoboys, etc.

POS Wireless

Este tipo de maquininha fica entre a POS (fixo) e a POO. Seu uso fica limitado ao espaço de alcance da rede sem fio. Assim, a máquina é móvel e pode transitar no interior do estabelecimento, mas não tem a total portabilidade do modelo POO.

Este tipo é bastante indicado para estabelecimentos que precisam que o terminal seja móvel, porém, sem a necessidade de grandes deslocamentos.

Outra opção existente é a máquina moderninha, com foco no recebimento das vendas via celular. Segundo consta, a aposta é na desburocratização da contratação e a redução dos custos.

A máquina não depende de um dispositivo móvel como um celular ou tablet para funcionar, pois o próprio aparelho já conta com a tecnologia necessária para realização das vendas.

Em resumo, é uma máquina de cartão totalmente diferente das disponíveis no mercado até agora. As vantagens da máquina moderninha são:

• A possibilidade de parcelar as compras em até 12 vezes;

• Não tem aluguel e nem taxa de adesão;

• Seu tamanho é menor e ela é mais leve que outras máquinas de cartão;

• Tem visor colorido e bateria com duração de até 48 horas;

• Os comprovantes de pagamento são enviados ao cliente via SMS;

• Possui tecnologia wi-fi ou com chip de dados inclusos.

Como podemos observar, existem várias opções de máquinas de cartão de crédito e débito no mercado. Caberá à empresa escolher aquela que mais se adéqua a sua realidade, observando que nem sempre a que tem o menor custo será a ideal para seu tipo de negócio.

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Empresas de Cartões de Crédito (ABECS) revela que o número de transações com cartões cresceu 9,4% na comparação entre o primeiro semestre de 2016 e o mesmo período do ano anterior.

Este fator nos mostra claramente a demanda crescente do consumidor por esta forma de pagamento, bem como a necessidade do uso desta modalidade pelas empresas varejistas a fim de alavancarem as vendas e permanecerem competitivas no mercado.

Por Danielle Porto – especialista em Finanças e Estratégia Empresarial e professora da Faculdade CDL.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *